>>>Amor eterno em Bruges

Amor eterno em Bruges

Bruges é uma cidade de contos, de fábulas românticas sobre o amor eterno e de chocolatarias onde o nível de açúcar pode subir à altura da Torre de Belfry.
Antigamente, se os sinos tocavam a rebate era porque algo de ruim se passava. O vigia da Torre de Belfry, na Praça do Mercado, quando avistava do alto dos 83 metros do seu posto algum perigo para os moradores tocava o carrilhão com 47 sinos. Hoje, os perigos são menos evidentes e os maus já não chegam montados a cavalo, empunhando espadas e aos gritos. Os sinos da torre também deixaram de alertar para esses perigos e passaram a dar concertos, sobretudo no verão. Porém, se subirmos ao cimo da famosa torre da cidade ainda podemos imaginar como seria aquela Bruges na época medieval. Só precisa de superar 366 escadas íngremes.
Típico, mas imprescindível: un passeio pelos canais

Museus para todos

Os belgas gabam-se de ser os inventores das frietjes (batatas fritas) e em Bruges criaram um museu específico sobre o tema: o Frietmuseum. Porém, se procura algo mais sofisticado, pode visitar o Diamant Museum e verificar se realmente os diamantes são assim tão bons amigos, como cantava Marilyn.

A cidade Belga de Bruges, conhecida como a ‘Veneza do Norte’, tem uma identidade muito própria. Ali descobre bairros e canais, pontes e vielas empedradas, uma arquitetura parada no tempo, como se ficássemos a meio da subida à Torre de Belfry… Sobretudo encontra, nesta cidade, o destino perfeito para um programa romântico, o cartão postal ideal ou, porque não, o amor eterno. Em Bruges encontra os três.
Em terra firme, a poucos minutos do centro, descobre o Minnewater ou, como é conhecido pelos românticos incuráveis, o Lago do Amor. Esta alcunha deve-se ao amor proibido entre a jovem donzela Minna e Stromberg. Obrigada a casar-se com um homem que não amava, decidiu fugir. Conta-se que quando Stromberg a encontrou, Minna morreu nos seus braços e ele construiu uma barragem para secar o rio e enterrar a sua amada, que descansa eternamente debaixo das águas do Minnewater. Porém, os dois apaixonados não são os únicos a ter uma lenda. Os cisnes do lago têm também a sua própria lenda. Diz-se que a cidade de Bruges ordenou executar um dos seus administradores, Pieter Lanchals, e que, no seguimento da ordem, castigou a população, obrigando-a a alimentar os cisnes do lago, eternamente.
Coche em Grote Market
Emi Cristea / Shutterstock.com
Qualquer pessoa que atravesse hoje a ponte do lago pode cumprir o castigo, uma vez que este ainda não prescreveu. Além disso, conta-se também mais uma história: alimentar os cisnes, em casal, garante o amor eterno. Ainda aguenta mais romantismo? Então nada melhor do que um jantar ao lado do lago, no restaurante Maximiliaan vab Oostenrijk.
Chocolate Brain by Dominique Persoone
Mas Bruges tem ainda mais histórias doces, sobretudo a das suas chocolatarias. Por exemplo, Chocolate Line, cujo dono, Dominique Persoone, é considerado um dos melhores chocolateiros do mundo. A sua confeitaria é uma das três que aparece no Guia Michelin. No entanto, os belgas locais preferem a Chocolataria Spegelaere, com uma longa tradição familiar, mas menos conhecida, onde se destacam os típicos cachos de uvas de chocolate.
Para terminar, porque é preciso baixar o açúcar do chocolate e das lendas, dois passeios. Um pelos canais e outro de coche. Claro, tudo isto de mão dada com alguém muito especial (agora já não se pode arrepender de ter atravessado a ponte e ter alimentado os cisnes). O primeiro passeio faz-se de barco, a partir do molhe do Rosário (Rozenhoedkaai), o lugar mais fotografado da cidade. O segundo, num dos coches da Grote Markt. Mais uns plim plins finais de romantismo? Os cocheiros recomendam encolher-se debaixo da manta. Típico? Sim. Imprescindível? Também.

Artigos relacionados

Bruges estreia canalizações… de cerveja

Por baixo da calçada de Bruges corre um refrescante “rio” âmbar espumoso pela primeira canalização de cerveja do mundo que...

Roma: eternamente jovem

É a cidade eterna porque nela se fundem passado, presente e futuro. Mas também porque consegue apresentar-se como nova, mesmo...

A dois metros debaixo da terra

A cidade subterrânea de Edimburgo desapareceu no século XIX, mas as histórias de quem a habitou estão mais vivas do...

Texas ao natural

Nem ranchos, nem rodeos, nem botas de cowboy. Prometemos não mencioná-los para falar do Texas. O que nos resta então?...