>>>As outras Caraíbas: um refúgio inglês de paz

As outras Caraíbas: um refúgio inglês de paz

Tortola, Virgem Gorda e Anegada são as mais importantes entre a meia centena de ilhas que constituem este paraíso, as Ilhas Virgens Britânicas. Umas Caraíbas solitárias e inspiradoras.
A
cana-de-açúcar, introduzida pelos ingleses durante a colonização em 1666, deu-lhe a prosperidade. E anteriormente tinha passado por mãos holandesas. Trata-se do arquipélago caribenho, a este de Porto Rico, pertencente à Coroa Britânica. Umas ilhas que progrediram economicamente graças ao cultivo e exportação da cana-de-açúcar, para se tornar depois num lugar para esquecer o quotidiano. As Ilhas Virgens Britânicas transformaram-se num destino muito requisitado para quem procura prazer e paz de espírito. O seu PIB está entre os vinte mais elevados do mundo e cerca de 29 mil pessoas habitam em onze das suas mais de 60 ilhas.
A aBoatTime é uma das empresas de aluguer de todo o tipo de barcos para umas férias únicas.
Foto: https://aboattime.com/es/

Uma volta de iate

Sentir-se como o Tio Patinhas, deitado na proa de um veleiro, navegando por águas cristalinas, é possível nestas ilhas. Barcos à vela, lanchas a motor, iates e outras embarcações, com ou sem mestre, são uma opção – a alugar na aBoatTime – para viajar de ilha em ilha.

Lugares de cortar a respiração, como Virgem Gorda, a terceira maior ilha do território e que deve o nome a Cristóvão Colombo. The Baths é uma das atrações mais populares: uma coleção de rochas de granito, ligadas por grutas, lagoas de água salgada e um caminho. É uma das melhores praias da zona oriental das Caraíbas: águas cristalinas, fauna selvagem e o tempo suspenso.
Ilhas para o esbanjamento de bolsos cheios, como os de Mick Jagger ou Bill Gates. Centros de férias e vilas de luxo: em North Sound, acessível só por mar, encontra-se o Bitter End Yacht Club, um refúgio com 46 quartos que se define como “amante da água e da tradição familiar, onde o pessoal é acolhedor e se mantém o espírito generoso das Caraíbas”. Propõe atividades como vela, mergulho, kitesurf, windsurf, caiaque e excursões semanais. A ilha do Tesouro (Norman Island) ou a colina Spyglass, um miradouro muito conhecido entre os piratas, são algumas das propostas.
Além das grutas, que fazem parte da paisagem, existem ruínas de uma antiga mina de cobre que esteve ativa, no século XIX, durante 24 anos.

O refúgio do pirata

William Thornton, arquiteto do edifício do Capitólio nos Estados Unidos da América, ou John Coakley Lettsom, fundador da Medical Society of London e da Royal Humane Society foram alguns dos habitantes da ilha Jost Van Dyke, a mais pequena das quatro principais (300 habitantes) e assim chamada pelo pirata holandês.

Na ilha de Tortola, a maior do arquipélago das BVI (British Virgin Islands), o ritmo é marcado pelas areias brancas que convidam a passeios relaxantes: ar puro, palmeiras como sombra e, para completar o postal, o cais onde estão ancorados os iates milionários. Os espaços protegidos transformam-se em lugares ideais para mergulhar e praticar snorkel. Para este último, uma das melhores praias é Trunk Bay, cheia de peixes coloridos. Além de atividades marítimas, a ilha convida ao percurso, a pé ou de bicicleta, por caminhos íngremes. No Parque Nacional de Gorda Peak está o ponto mais elevado da ilha, de onde se vislumbram outras zonas, como Anegada, denominada pelos espanhóis por “ilha afogada”, que conta com o Horseshoe Reef, o terceiro maior recife contínuo das Caraíbas Orientais.
Além dos cruzeiros tradicionais, no Porto de Tortola também atraca o cruzeiro Fantasia Disney.
Foto: Sergey Kelin / Shutterstock.com
Os 21 parques nacionais destas ilhas são um dos pontos fortes para o viajante. Nestes habitam peixes tropicais, tartarugas, jamantas e tubarões. Cam Bay, na pequena ilha de Great Camanoe, é um parque marítimo onde podemos ver enormes recifes de coral, enquanto Diamond Cay se destaca por ser uma zona de observação de aves.
As Ilhas Virgens Britânicas também convidam ao deleite. A lagosta fresca, o caril de cabra picante ou o Johnny Cakes – uma espécie de pão elaborado com farinha de milho – são alguns dos prazeres locais que pode saborear num cenário com cabanas pintadas em tons pastel. E a paz sente-se melhor acompanhada de sabor: a cana-de-açúcar, no restaurante 1748, no Long Bay Beach Resort (Tortola), instalado num antigo engenho de açúcar; ou o coquetel Painkiller, elaborado à base de rum, ananás, laranja e creme de coco. Como banda sonora, guitarras, uqueleles, baixos, tambores metálicos… São as chamadas “bandas de cogumelos”, representantes do folclore local das Caraíbas inglesas.

Artigos relacionados

As Ilhas Caimão não são só para milionários

Que motivos existem para visitar as Ilhas Caimão, mesmo que não tenha milhões para abrir uma conta no banco? No...

A ilha da felicidade

De 28 de julho a 6 de setembro, a ilha de Obonjan, na Croácia, só tem uma missão: fazer-nos felizes.

O lado mais selvagem de Cuba

Há mais vida para lá de Havana e do seu malecón. É a Cuba oriental da Baía de Taco e...

Antigua e Barbuda… e casada

Qual é o segredo para este ser o país com o maior número de casamentos do mundo? Descubra o poder...