>>>Belize, ecoturismo de cinco estrelas
Foto: Chaa-Creek

Belize, ecoturismo de cinco estrelas

Luxo e ecologia aliam-se no Belize, o paraíso do ecoturismo. Hotéis de cinco estrelas com energias limpas e jacuzzis de águas recicladas para turistas comprometidos com o planeta.
U

ma noite por ano, os hóspedes do hotel Gaïa Riverlodge de Belize jantam à luz das velas. Não é uma iniciativa romântica sem o Dia dos Namorados. É “A Hora do Planeta” e todo o hotel desliga as luzes para contribuir com o seu grão de areia para esta campanha global que luta contra a mudança climática.

Também dispõe de uma política de reciclagem sólida e de uma horta ecológica. Até desenvolveu o seu próprio repelente orgânico com produtos naturais para lidar com as pragas. Faz parte da sua firme vontade de ter um impacto mínimo no ambiente e de não danificar o meio envolvente. Uma filosofia louvável e muito em voga, mas que neste país da América Central também é lei. O governo local impulsionou, em 2012, um programa de turismo sustentável que envolve todo o país na preservação do meio.

A diver on the coral reef, Belize
A barreira de coral do Belize foi declarada Património da Humanidade em 1996.

Proteger a segunda maior barreira de coral

Uma das maiores preocupações dos belizenhos é proteger a sua barreira de coral, a segunda mais extensa do mundo, depois da australiana. Para isso, é fundamental consciencializar os turistas, que vêm praticar snorkel ou mergulho, de que não devem tocá-la nem lançar resíduos.

O programa estabelece objetivos para 2030 e contempla a proteção do ecossistema, a criação de emprego e o aumento dos benefícios que o turismo deixa no país. Todo o Belize pôs mãos à obra e já há oito hotéis certificados pelos Green Globe, os Óscares do turismo sustentável. Por isso Leonardo DiCaprio escolheu este lugar para construir Blackadore Caye, o seu hotel ecofriendly, que abrirá as portas em 2018. Ocupa toda a ilha privada do ator, Cayo Sumba, e representará, conforme confessou o próprio DiCaprio, “um marco histórico no movimento pró-ambiente”.

Um dos hotéis que já tem um Green Globe é o Chaa Creek, inaugurado em 1981, quando o país se tornava independente do Reino Unido. A dona, Lucy Fleming, brinca, ao assegurar que abriu “um eco-resort antes sequer de ouvir falar do conceito”. Nas suas exclusivas villas usufruímos de uma vista de 360º para a selva, na qual se camuflam. Além de praticar a religião da reciclagem e diversas políticas verdes, o Chaa Creek oferece às crianças deste país um acampamento de verão. O objetivo é educá-las na biodiversidade e o leitmotiv são os três erres (3 R): Reduzir, Reutilizar e Reciclar.

Pensar globalmente, atuar localmente

O impulso às comunidades locais faz parte da consciência ecológica. O resort Hamanasi participa no projeto Pack for a Purpose, que convida os turistas a arranjar um espaço na bagagem para transportar vários artigos necessários para os habitantes do local onde se encontra o hotel. Concretamente, agradece material escolar e médico para a aldeia vizinha de Hopkins. Em 2016 foi o vencedor do prémio Eco-Excellence, na categoria de Viagem, e a sua política baseia-se, desta vez, nos três pês (3 P): as pessoas, o planeta e o benefício (people, planet and profit, em inglês).

A pier on the coast of Belize
A costa do Belize tem 100 tipos diferentes de coral e 500 espécies de peixes.

The Cotton Tree Lodge iniciou um programa de reflorestação de árvores de teca e mogno no seu terreno. Além disso, oferece aos hóspedes a possibilidade de participar em projetos de cooperação com os agricultores locais, ajudando-os a cuidar das suas plantações ou a construir galinheiros e estufas ecológicas. Dispõe de magníficos aposentos empoleirados nas árvores da selva, que usufruem de todos os confortos e detalhes de um cinco estrelas. Os resíduos orgânicos recolhidos são eliminados mediante um sistema de autocompostagem que utiliza bananeiras na regeneração.

Todos os eco-resort do Belize utilizam, em alguma medida, energias limpas, reciclam, muitos produzem as suas próprias frutas e legumes e recusam os químicos que podem danificar o ambiente. Mas a ecologia não se opõe ao luxo: é possível usufruir de jacuzzis, cabanas nas árvores, mordomos pessoais, massagens, spas ou jantares privados exclusivos no meio da selva, à saúde do planeta e sem pingo de culpabilidade.

Artigos relacionados

Hotel Watergate, à prova de espiões

Quase 50 anos após a queda de Nixon, o hotel, testemunha de uma das maiores conspirações políticas dos Estados Unidos...

Se não compra, não está em Hong Kong

Em Hong Kong pode comprar até à exaustão. Mas não pense que lhe sairá barato. A rua Causeway Bay de...

Viver como um rei no Rajastão

Salões atapetados, troféus de caça e camas de dossel. Os marajás transformaram os seus palácios em hotéis de luxo que...

Ibiza torna-se íntima

A capital mundial da festa pode transformar-se num oásis só para dois. Mostramos-lhe o lado menos conhecido da ilha da...