>>>Entre dragões e arranha-céus: os contrastes da China
Foto: Zoe Chen by Unsplash

Entre dragões e arranha-céus: os contrastes da China

Nos 2000 quilómetros do trajeto de Pequim a Hong Kong, há tempo para conhecer todas as faces do gigante asiático: templos milenários junto a alguns dos edifícios mais altos e modernos do mundo.
P

equim é onde a China seduz o Ocidente”. Este ditado é um bom ponto de partida para o viajante fazer uma ideia do que o espera na capital do gigante asiático. Com uma população aproximada de 22 milhões de habitantes, o crescimento e a modernização são imparáveis. Ainda assim, Pequim conserva alguns recantos onde poderá conhecer e sentir a China tradicional.

Estamos a falar dos ‘hutongs’, os bairros mais autênticos da cidade. Apesar de alguns terem desaparecido precisamente devido ao crescimento selvagem, estão agora de novo a ser protegidos. Construídos durante as dinastias Yuan, Ming e Qing, o significado da palavra usada para os designar – becos – fornece uma pista sobre a sua planta. A maioria é composta por casas de um só andar – normalmente com fachadas e telhados cinzentos e alguma nota de vermelho na porta ou nas lanternas de papel. Situam-se nas imediações da Cidade Proibida, e estão organizados em redor de um pátio interno. Alguns nem sequer têm casas de banho. Mas nem só a estética e as condições de vida nestes bairros são antigas, os seus habitantes também mantêm costumes que é difícil encontrar noutras zonas da cidade: por exemplo, é habitual as famílias comerem na rua, em mesas e cadeiras desmontáveis. Para conhecer de perto esta “vida de aldeia” em plena urbe, existem ‘tours’ a pé ou de ‘rickshaw’, as tradicionais carroças puxadas, neste caso, por ciclistas.

Hutong de Pekín
Alguns ‘hutongs’ de Pequim foram transformados em hotéis de charme.

Partindo de Pequim por estrada em direção a norte, após um pouco mais de uma hora de percurso chega-se a um troço da Muralha da China. A maior obra de engenharia do mundo (21.196 km) é uma paragem obrigatória em qualquer roteiro pela China — incluindo o caminho de Pequim para Hong Kong, ainda que seja necessário fazer um desvio. Como os ‘hutongs’ de Pequim, a parte mais bem conservada da Muralha data da dinastia Ming. Depois deste desvio para norte deve retomar-se o trajeto em direção ao sul. Os voos internos facilitam a tarefa de completar os quase 2000 quilómetros que separam Pequim de Hong Kong. Mas em função do tempo disponível poderão ser feitas algumas paragens, ou todas. Xian e Xangai são as inevitáveis.
 

A primeira é conhecida pelos seus guerreiros de terracota: um conjunto de milhares de figuras que foram enterradas com o primeiro imperador da China e que, desde a sua descoberta em 1974, são consideradas Património da Humanidade pela Unesco. E a segunda, na costa leste do país, completa a frase com a qual começámos este texto, pois se “Pequim é onde a China seduz o Ocidente”, “Xangai é onde o Ocidente seduz a China”. Considerada uma das cidades mais cosmopolitas do país, tem um dos ‘skylines’ mais famosos do mundo. O bairro de Pudong exibe, entre outros, os 632 metros da torre de Xangai, a mais alta do país e a segunda mais alta do mundo.

Tulou de Fujian
Os ‘tulou’ de Fujian podem chegar a alojar 800 pessoas.

A partir de Xangai, o caminho para Hong Kong pode ser feito pelas províncias do litoral, para explorar paisagens chinesas não tão conhecidas. Referimo-nos a províncias como Fujian. Com uma longa tradição marítima, esta região foi um ponto chave na rota marítima da seda. Xiamen e a ilha taiwanesa de Kimmen recebem uma boa parte dos turistas que visitam esta zona, mas a joia mais chamativa espera por si no interior da província: os ‘tulou’. Estas curiosas vivendas circulares comunais, que parecem surgir da terra, foram classificadas também como Património da Humanidade pela Unesco. Serviram de lar para gerações e gerações dos ‘hakka’, e de outros grupos étnicos da região.

Hutong Nanshuiguan
O contraste entre a nova e a velha Pequim torna-se evidente no ‘hutong’ Nanshuiguan, com o Galaxy SOHO nas suas traseiras, um complexo de escritórios e lojas concebido por Zaha Hadid.

Um contraste total com o modo de vida dos atuais ocupantes de Hong Kong. Com mais de 7 milhões de habitantes e praticamente sem espaço para construir novas habitações – três quartos do seu território são reserva natural –, a antiga colónia britânica só pode crescer em altura. Não é por acaso que é conhecida como a cidade com mais arranha-céus do mundo (mais de 1300). É também uma das que tem um ritmo de vida mais alucinante. Aqui nada de ‘rickshaws’, a melhor forma de se deslocar pela cidade é de metro.
 
“Encontre o seu próximo destino”

Artigos relacionados

Quando Xangai se apaixonou por Nova Iorque

A megacidade chinesa está em constante crescimento, sempre vibrante, cada vez mais moderna e, ultimamente, hiperativa. Será por causa da...

Um bosque de pedra

Se procura um lugar para se resguardar do sol não vá ao bosque de Shilin.

Se não compra, não está em Hong Kong

Em Hong Kong pode comprar até à exaustão. Mas não pense que lhe sairá barato. A rua Causeway Bay de...

Hangzhou: a cidade verde da China

A capital de Zhejiang pode gabar-se e gaba-se de ser a cidade mais sustentável do gigante asiático. Tem bons motivos:...