>>>Fotogenia comestível: a dieta do século XXI
Foto: MarleenVisser

Fotogenia comestível: a dieta do século XXI

As últimas loucuras do mundo foodie incluem batidos-unicórnio e muito abacate. Aviso para acompanhantes: não vão com fome: para prová-los é preciso esperar que acabe a sessão de fotografia.
S

e é verdade que “somos o que comemos”, para 2020 haverá mais unicórnios do que pessoas. A culpa é da unicorn food, uma tendência gastronómica que pinta tudo de pastel e purpurino. E quando dizemos tudo, é mesmo tudo. A compota das torradas, o queijo fundido da sanduiche, bolos, macarons, batidos e, claro, os toppings, que agora coroam os batidos (de donuts até chupa-chupas). A unicorn food chega aos cabeçalhos da imprensa e até a Starbucks lançou uma edição limitada do seu frapuccino, na versão “unicórnio”, ou seja, azul e rosa chiclete, polvilhado de pós “mágicos”. No entanto, a cadeia norte-americana não foi a primeira (nem será a última) a juntar-se à moda da fantasia comestível.

https://www.instagram.com/p/BS2DrZXFQR_/?taken-by=caked_la&hl=es

As canecas coloridas da Caked A tornaram-se virais no efémero Instagram Stories. Decorados com cornos dourados e orelhas de unicórnio, estes batidos são o item mais pedido da sua ementa, ainda que os bolos arco-íris não fiquem atrás. No seu local, em Chino Hills (Califórnia), servem doces caseiros com o objetivo de “tornar os outros felizes”. Não muito longe, em Anaheim, a Creme & Sugar especializou-se em chocolate quente de unicórnio, coberto com muitas nuvens e a mesma essência happy. Voltada para o verão, estreia a ementa que segue a outra tendência mitológica da temporada: a mermaid food.

 

A “moda sereia” está à espreita há cerca de dois anos. Primeiro foi o mermaid hair, com Kylie Jenner a liderar. A irmã mais nova das Kardashians conseguiu convencer-nos que pintar o cabelo de azul era boa ideia. Em seguida, vieram as academias de sereias: não bastava o cabelo, queríamos sentir-nos “como sereias na água”. Adeline Waugh, criadora de Vibrant&Pure, levou a febre marinha à mesa, barrando-a diretamente na sua torrada. As redes sociais logo fizeram eco das suas criações. Fantasia para o pequeno-almoço: por acaso existe melhor dieta?

Se sente que lhe sobe o açúcar com tanto bolo e tanta cor purpurina não se preocupe: o Stendhal culinário nem sempre é doce. Na verdade, desde que descobrimos que a sua onda são as gorduras saudáveis, costuma saber a abacate. E quem não ficou com água na boca ao olhar para o seu inexplicável verde pistacho? Pantone elegeu-o a cor de 2017 e os foodies obedeceram à tendência juntando-o a cada prato. No início do ano abriu em Amsterdão um restaurante onde esta fruta/legume é a grande protagonista. O seu nome é The Avocado Show e utiliza o abacate como pão de hambúrguer, como tigela para o húmus e para dar um extra de cremosidade a todas as suas sobremesas.

 

 

https://www.instagram.com/p/BOPhotVhJUw/?hl=es

Nem todos partilham este hype pelo abacate. Em outubro do ano passado um cronista australiano disse que era a razão pela qual os millennials não podiam ter casa. Bernard Salt criticava o brunch hipster por excelência: abacate esmigalhado numa torrada de cinco cereais com queijo feta por cima, como o que oferece o Little Loco, em Brisbane (Austrália). “Como podem os jovens comer algo assim? (…) Esses 22 dólares podiam muito bem ser poupados para a entrada de uma casa”.

 

Assim somos nós, os millennials. Preferimos os abacates e os unicórnios aos bens materiais.

Artigos relacionados

A torre dos dois mundos

A Torre de Leandro une, no rio Bósforo, a Ásia e a Europa. É um farol de lendas trágicas, onde...

Diga-me a idade que tem e eu dir-lhe-ei como viaja

Não se viaja da mesma forma aos 20 ou aos 50. A boa notícia é que à medida que perdemos...

Regale-se em Módena

Além do seu vinagre, Módena propõe uma infinidade de pratos para um fim de semana gastronómico. Alguns estão no melhor...

Apenas para fãs

Não se trata de ser bom em alguma coisa, trata-se de ser o melhor. Estas lojas e restaurantes arriscaram e...