>>>Genipabu: Um espetáculo irrepetível

Genipabu: Um espetáculo irrepetível

Pode ir as vezes que quiser, mas nada será igual, porque as dunas deste oásis alteram-se todos os dias com o vento. Um motivo para voltar!
Permita que as apresentemos. Primeiro o lugar. Estamos no Brasil, a terra da caipirinha, do Carnaval e dos biquínis minúsculos. E embora nas suas praias não falte areia, aqui estamos a falar de quantidades colossais. No litoral norte encontra-se o Parque Turístico Ecológico Dunas de Genipabu. Dito assim, não parece especialmente atrativo, mas garantimos-lhe que é o que mais se assemelha a uma montanha-russa de areia. Melhor dizendo, a várias montanhas-russas de areia, porque as dunas são móveis e o vento molda-as a seu bel prazer, para que nunca se aborreça do percurso.

Genipabu ou Jenipabu

Segundo a Academia Brasileira de Letras deveria escrever-se com “j”, pois a palavra deriva de “jenipa-bu”, uma palavra indígena que significa “comer jenipapo”. Ainda assim, os locais e o meios de comunicação social usam “Genipabu”, que é o nome com o qual se registou a cidade.

O mais divertido é sulcar os seus 1172 hectares (já tínhamos avisado que havia muita areia) de buggy, que pode contratar, com várias empresas, no seu próprio hotel. Antes de arrancar, o bugueiro vai perguntar-lhe se quer viver a sua viagem “com ou sem emoção”. Escolha o que escolher, desfrutará da paisagem desértica, embora, claro está, se escolher a opção “com emoção” viverá uma jornada de adrenalina sobre quatro rodas. Ou sobre nenhuma, porque as acrobacias do condutor farão com que voe entre as dunas, devido às lombas e à sua nada depreciável altura, de cerca de 30 metros. Agarre-se bem porque no percurso selvagem dará saltos verticais de quase 90 graus e, apesar de no dia seguinte se lembrar de todas as piruetas que deu no assento, estamos certos que terá valido a pena e estará desejoso de repetir a experiência… irrepetível, porque as dunas terão mudado de sítio. Para sua segurança, tenha presente que o veículo deve estar credenciado pela Setur, o organismo oficial responsável por esta atividade.
Entre as imensas dunas de areia branca surge uma lagoa, rodeada por vegetação exuberante. Em qualquer deserto que se preze não pode faltar um oásis. A lagoa de Genipabu é um lugar ideal para fazer um parêntesis entre saltos e dar um mergulho. Antigamente, esta experiência incluía o skibunda, que consistia em usar uma prancha de madeira como trenó para descer até à lagoa, mas foi proibido para preservação do espaço. Em todo o caso, como adrenalina já temos de sobra, continuaremos a nossa viagem de buggy, embora este veículo não seja a única forma de desfrutar as dunas móveis. Não é tão rápido, nem saltitante, mas mesmo assim é digno de um autêntico cartão postal: um passeio de dromedário, no mais puro estilo Lawrence da Arábia.
Muitas voltas incluem, além de outras paragens, a Lagoa de Jacumã, onde se poderá iniciar na prática do aerobunda (tirolesa que desce, até se acabar por cair na água), e a Lagoa de Pitangui, ideal para comer ao ar livre, porque as mesas dos bares estão mesmo na margem e pode deixar os pés de molho.

Artigos relacionados

Onde o Ganges chega a África

Mark Twain escreveu que as ilhas Maurício serviram de modelo ao paraíso. O arquipélago do Índico é também o centro...

Viagem ao inferno

A depressão de Danakil, no Corno de África, é um dos pontos mais quentes do planeta. O local tem apenas...

Florescer em Atacama

Depois da tempestade, chegam as flores. Numa das regiões mais secas do mundo ocorre, a cada cinco anos, um fenómeno...

Coober Pedy: viver debaixo de terra

Depois dos forty-niners arrasarem as terras “douradas” da Califórnia, o outback australiano desencadeou outra febre mais silenciosa: a da opala.