>>>Ilha de Lobos, minimalismo natural em Fuerteventura

Ilha de Lobos, minimalismo natural em Fuerteventura

Quatro quilómetros, nem uma estrada e apenas um restaurante. É assim este discreto ilhéu do arquipélago canário.
I

lha de Lobos ou Ilhéu de Lobos? O primeiro é o nome oficial; o segundo, o popular. Este último deve-se aos seus escassos 4,5 quilómetros quadrados. A menos de duas milhas da costa norte de Fuerteventura (Espanha), não tem habitantes nem estradas – apenas um farol e um restaurante, onde é necessário reservar mesa presencialmente. Mas vale a pena, já que servem peixe pescado no próprio dia, inclusive aquele que é apanhado pelos clientes.

O último habitante da ilha foi Antonio Hernández, conhecido como “Antonito, o faroleiro”. Viveu com a família no Farol de Martinho até 1968. O farol continua em funcionamento – agora sem supervisão – e é o único edifício oficial da Ilha de Lobos. Construído nos finais do século XIX, é de estilo neoclássico e encontra-se a norte da ilha, orientado para Lanzarote – a uns oito quilómetros de distância.

Farol de Martinho
A Ilha de Lobos encontra-se no Estreito da Bocaina, que separa as ilhas de Fuerteventura e Lanzarote.

Zona de proteção de aves

Aquela que foi a ilha dos lobos-marinhos, agora é a ilha das aves marinhas (pardela, guincho, gaivota-de-patas-amarelas), que nidificam nas escarpas, e das migratórias como a andorinha-do-mar e a garça real. Em terra têm a companhia de pequenos répteis, como a lagartixa e a osga.

Formada há 135 000 anos, a Ilha de Lobos é a zona mais jovem de Fuerteventura. Deve este nome aos seus habitantes mais antigos, os lobos-marinhos (ou focas-monge), que ali viveram até há 500 anos atrás, quando foram caçados pelos conquistadores que chegaram a Lanzarote e Fuerteventura. Em sua homenagem há uma estátua de dois lobos-marinhos, que destoa neste espaço quase virgem. Apesar de, curiosamente, não ser a única escultura da ilha: também há uma dedicada à escritora espanhola Josefina Pla, nascida no ilhéu em 1903.

 

Os romanos também passaram pela Ilha de Lobos. Pelo menos como um ponto de paragem para a criação do múrex, um molusco muito apreciado como corante, de onde se extrai a cor púrpura.

El Puertito
Chega-se a Ilha de Lobos a partir de Fuerteventura, e a viagem custa uns 12 euros.

Após ter sido abandonado pelos romanos, pelos conquistadores e pelos faroleiros, o ilhéu está atualmente desabitado. Há, no entanto, algumas casas de construção muito básica, onde os proprietários guardam o mínimo para passar ali o dia. Para chegar à ilha, o mais comum é apanhar um ferry ou um pequeno barco de pescadores a partir de Corralejo (Fuerteventura). O percurso não demora mais de 15 minutos. No destino esperam os visitantes as suas águas tranquilas, umas das mais azul-turquesa de todo o arquipélago canário. Um sossego reparador que tem o seu zénite no El Puertito. Nesta piscina natural é fácil acreditar que se está num paraíso de águas transparentes que contrasta com as rochas vulcânicas.

Trilho da rota da Ilha de Lobos
El Puertito, a Praia da Concha ou as Salinas de Marrajo são paragens imprescindíveis.

Além de um mergulho inesquecível, esta zona é perfeita para praticar uma das atividades mais populares na ilha, o snorkel. A outra é a caminhada, graças às excursões até ao cone vulcânico da única montanha da ilha, a Caldera. Com 127 metros de altura, a montanha é um desafio aceitável que se ergue perante o resto da paisagem e que oferece uma vista panorâmica da ilha.

A Ilha de Lobos foi declarada parque natural, pelo que alguns dos seus espaços são de acesso limitado. Para além do trilho e das praias, o ilhéu está coberto por uma planície de lava vulcânica: um terreno repleto de rochas com pouca erosão. Ninguém disse que é fácil ser um ilhéu abandonado em pleno atlântico. Em todo o caso, é possível ‘habitá-lo’ por um dia, já que é permitido acampar. Mas para isso é necessária uma autorização prévia do Município de Fuerteventura.

Artigos relacionados

Ibiza nunca fecha

A Ilha Pitiusa diminui o seu ritmo nos meses mais frios do ano, mas não para. Os bares de praia...

Ode ao bar espanhol

Com 260 mil estabelecimentos, Espanha torna-se no país do mundo com maior densidade de bares. Dos clássicos aos mais vanguardistas,...

33 Habitantes, 30 mil livros

O viajante deixa um livro e leva outro. É a filosofia de Quintanalara, na província de Burgos. Um espaço cultural...

O bar mais bonito do mundo

A coquetelaria Blue Wave, na nova marina de Barcelona, foi a vencedora dos últimos Restaurant & Bar Design Awards. O...