>>>A torre dos dois mundos

A torre dos dois mundos

A Torre de Leandro une, no rio Bósforo, a Ásia e a Europa. É um farol de lendas trágicas, onde hoje se realizam casamentos e tiram algumas das fotografias mais repetidas no mundo.
Para alcançar a torre tem de o fazer a partir da Europa. Para a fotografar, a melhor posição é a partir da Ásia. Como se vê, Kiz Kulesi, o nome da torre em turco, é caprichosa. A Torre da Donzela, como a denominam os turcos, ou a Torre de Leandro, como é conhecida no Ocidente, é um dos pontos mais fotografados da já de si muito fotografada cidade de Istambul. A torre está numa pequena ilhota entre os dois continentes, a uns 200 metros da margem de Usküdar, onde começa o Bósforo. Para tirar uma selfie, com a torre atrás, o melhor local é a parte asiática de Istambul, ao entardecer.
As pessoas sentam-se no chão, em tapetes, para desfrutar das vistas
Aivita

O top 10 mundial

A Torre de Leandro ocupa o quinto lugar da lista dos dez lugares mais fotografados do mundo, logo atrás dos turísticos Parc Güell, em Barcelona, ou do parisiense Moulin Rouge.

Do molhe de Usküdar pode-se contemplar o sol a cair por detrás deste edifício imponente com 1200 metros quadrados. A torre foi construída no século XII com a intenção de fixar em terra firme a corrente que fechava a passagem aos barcos que pretendiam atravessar o Bósforo. Ao longo da sua história foi utilizada como mausoléu, farol, semáforo, alfândega, casa de retiro e quartel. O aspeto atual da torre é fruto da sua última reforma, no século XIX. Mas a sua aparência não é a única atração que possui. São ainda mais cativantes as lendas que existem em volta da torre e que lhe dão os seus dois nomes.
A lenda turca conta que o jovem Leandro se apaixonou por Hero, uma sacerdotisa da deusa Afrodite. Todas as noites o jovem atravessava a nado o estreito para a visitar, guiado pela chama da tocha que ela acendia. Porém, numa madrugada tempestuosa, a chama apagou-se com a chuva e Leandro morreu afogado. Ao tomar conhecimento do sucedido, Hera lançou-se nas águas do estreito, morrendo junto do seu amor. O casal acabou por ser o protagonista de um trágico e romântico final.
É tradição tomar uma chávena de chã turco, enquanto se contempla o entardecer
Segundo a lenda europeia, o imperador Manuel Komnenos ordenou a construção da torre para proteger a sua filha da profecia de uma advinha que havia vaticinado que ela morreria por causa da mordedura de uma serpente. O pai pretendia enganar o destino, rodeando a casa por água, mas um dia a menina recebeu uma cesta de fruta, de onde saiu uma serpente que a mordeu e matou.
Ao contrário de Leandro, pode chegar à torre de ferry
A Torre de Leandro é hoje um restaurante elegante onde, no verão, se realizam jantares e casamentos. O verão é mesmo a melhor época do ano para aproveitar as vistas de 360 graus que se conseguem do alto da torre. Em todo o caso, hoje em dia o noivo já não precisa de atravessar o Bósforo a nado. Pode apanhar um dos ferries para chegar à ilha da torre. No entanto, se quiser, pode tentar fazê-lo a nado. Onde há lugar para duas lendas, certamente haverá ainda espaço para alguma mais. Principalmente se for uma lenda com um final feliz.

Artigos relacionados

Lugares para regressar ao passado

Mercados, hotéis, lojas e restaurantes vintage onde os órfãos da máquina do tempo encontram o ambiente de épocas passadas que...

Um espetáculo de sal

No interior alberga uma bowling, um teatro e até um embarcadouro. Não é um centro comercial, é a Salina Turda,...

Ilha do Fogo: do bacalhau à arte

Nos anos 90 a Ilha do Fogo vivia da pesca. Afetada pela crise, esta pequena ilha canadiana foi reconvertida num...

Seul, o laboratório da moda

Em Seul pode fazer o normal: visitar museus e ir a um jjimjilbang. Ou então imitar os outros e deixar-se...