>>>Marsa Alam, nos confins do Mar Vermelho
Foto: Red Sea Diving Safari

Marsa Alam, nos confins do Mar Vermelho

Foi o segredo mais bem guardado do Mar Vermelho durante anos. Imensas praias à beira do deserto, onde os mergulhadores chegavam à procura de jardins de coral únicos.
N

ão foi fácil descobrir Marsa Alam. Fora do radar turístico durante anos, esta localidade costeira a sudoeste do Egito manteve-se no anonimato até que em 2001, depois da inauguração do seu aeroporto, mergulhadores de todo o mundo começaram a celebrizar a sua barreira de corais, a mais meridional do golfo do oceano Índico, onde corais, tartarugas, golfinhos e tubarões, entre outras espécies, conviviam numa das zonas mais bem conservadas do Mar Vermelho.

A localização relativamente remota de Marsa Alam, uma das portas de entrada no sul do Egito – entre o trópico de Câncer e o deserto do Saara –, salvaguardou-a das avalanches de turistas. O nome desta cidade significa “baía das bandeiras” em árabe, devido a um costume antigo dos seus habitantes de erguer bandeiras para que as pequenas embarcações encontrassem facilmente o caminho de regresso. Apesar da sua crescente popularidade, Marsa Alam mantém a serenidade que a caracteriza e a afasta do bulício das suas vizinhas do norte: Hurghada, El Gouna, e Sharm el Sheikh.

Buzo practicando snorkel en Marsa Alam
Para praticar snorkel em Marsa Alam deve-se entrar sempre na água a partir de uma área designada como baía (marsa) ou uma lagoa (halk).

Rumo ao “vale dos camelos”

Un safari en camello por el Parque Nacional Wadi el Gemal es la oportunidad para
Um safari de camelo pelo Parque Nacional Wadi el Gemal é uma oportunidade para conhecer outras espécies selvagens que habitam fora de água, como o íbis da Núbia, burros selvagens ou gazelas. Os camelos são guiados por beduínos autênticos, neste deserto com quase 5000 quilómetros quadrados.

Com um pouco menos de 6000 habitantes, a cidade conserva ainda o seu espírito de antiga aldeia de pescadores. Um lugar sonolento onde os mangais e as palmeiras ornamentam os bairros e abrem caminho para as praias de aspeto tropical com águas azul-turquesa, que fazem esquecer o deserto que espreita por trás da cidade. A norte e a sul de Marsa Alam, ao longo da faixa costeira, pululam os resorts e os refúgios eco deluxe. Em Port Ghalib, um porto desportivo que se encontra a uma hora de Marsa Alam, com postos de amarração para quase mil iates, os seus tentadores spas (especializados em hamman turco) e os restaurantes gourmet, fazem com que a visita a terra seja quase mais desejada do que a aquática.

 

A vinte minutos de Marsa Alam – na aldeia de Marsa Shagra – o eco lodge Red Sea Diving Safari é um minidestino por si próprio: tendas de campanha de inspiração beduína situadas frente ao mar, onde se mistura o luxo com a simplicidade da natureza, num modelo de turismo sustentável e em harmonia com o meio ambiente. Tudo em Marsa Alam é descontraído, até a vida debaixo de água mantém a calma da superfície. Para os que querem passar a maior parte do tempo debaixo de água, o snorkel é a atividade mais popular. As melhores zonas para praticar este desporto são as baías, as barreiras de recife e os recifes costeiros onde é fácil ver tartarugas, tubarões e golfinhos.

Corales en arrecife de Elphinstone
A grande visibilidade das águas – de 25 a 40 metros – facilita a observação das espécies e dos coloridos recifes de Elphinstone.

Os seis recifes da baía de Abu Dabbab são um exemplo vivo do jardim de coral perfeito. As suas pradarias de areia oferecem uma oportunidade para nadar entre os poucos exemplares de dugong (vaca-marinha) que ainda existem no Mar Vermelho, além de tartarugas gigantes, peixes-guitarra, cavalos-marinhos pigmeus e peixes-fantasma. Outro dos mergulhos mais famosos de Marsa Alam pode ser feito na Dolphin House, uma área protegida em forma de meia-lua, onde dorme um grupo de quase cem golfinhos acrobatas que se habituaram à companhia dos mergulhadores e têm feito deste recife o seu lar. Para continuar a nadar entre golfinhos há também a lagoa Sha’ab Samadai, já que um grande grupo de golfinhos visita regularmente estas águas.

Safari de camellos en Marsa Alam
As rotas de camelo pelo deserto oriental favorecem os encontros com os nómadas da região, como os Abadba.

Em Elphinstone, a uns 20 quilómetros a norte de Marsa Alam, as paredes escarpadas dos recifes são banhadas por fortes correntes que as tornam ideais para encontrar tubarões – até sete espécies diferentes frequentam estas águas (incluindo o tubarão galha-branca-oceânico, muito difícil de encontrar) –, convertendo-as num destino obrigatório para os mergulhadores mais aventureiros.

Artigos relacionados

O culto do sol em Sharm el Sheikh

Onde acaba o deserto e começa a luz do mar ergue-se Sharm el Sheikh. A cidade dos dias deslumbrantes, das...

Texas ao natural

Nem ranchos, nem rodeos, nem botas de cowboy. Prometemos não mencioná-los para falar do Texas. O que nos resta então?...

“O Paquistão é o lugar mais espetacular onde voei”

Cruzou os céus de mais de 40 países de parapente e foi o primeiro a voar durante uma aurora boreal....

Lalibela: a Jerusalém etíope

Nas montanhas de Lasta esconde-se a cidade monástica de Lalibela, cujos templos foram esculpidos em rocha vulcânica com a finalidade...