>>>Nova Iorque encanta (ainda mais) no Natal
Foto: NYC&Company

Nova Iorque encanta (ainda mais) no Natal

Se já é Natal na Big Apple, já é Natal no resto do mundo. Faça as malas e prepare as camisolas com renas, voamos para a magia natalícia entre arranha-céus, frio e luzes.
S

e há lugar feito para o Natal (com a licença do Polo Norte), esse lugar é Nova Iorque. Aqui as experiências tradicionais e plenas de nostalgia unem-se a outras menos conhecidas durante esta época festiva, em que o frio e o sonho acompanham os acordes de “Let it Snow! Let it Snow! Let it Snow!”.  Por exemplo, saborear bengalas de caramelo gigantes, casas de pão de gengibre, ou chocolate quente com uma cobertura de açúcar em forma de flor – esta última delícia poderá prová-la na muito conhecida pastelaria de Dominique Ansel; juntar-se a um grupo de cantares natalícios debaixo do icónico arco da Washington Square, uma tradição que se espalha também por toda a cidade, incluindo o metro; e, claro, deixar-se enfeitiçar pelas milhares de gambiarras que decoram os edifícios e as ruas.

 

No último mês do ano, a Big Apple transforma-se num pequeno reino iluminado onde se destaca a gigantesca árvore do Rockefeller Center, o símbolo e o orgulho da cidade, que sinaliza o arranque das festas ao acender-se no dia 4 de dezembro. Um cabo com mais de oito quilómetros, e com 50.000 lâmpadas, enfeita este gigantesco abeto com mais de 25 metros de altura. Deixar-se abraçar pela multidão na praça do Rockefeller Center é um clássico inevitável e uma oportunidade para visitar o Radio City Music Hall, onde se representa um dos espetáculos natalícios mais famosos da cidade: Christmas Spectacular, um show em que as Rockettes, o Santa Claus e o Quebra-Nozes partilham o palco.

 

Decoração natalícia nos armazéns Saks
O melhor lugar para ver as luzes natalícias dos Saks são os jardins Channel Gardens.
Foto: Mattew Penrod/ NYC&Company

O Natal também ilumina as montras das lojas da cidade, que se transformam em surpreendentes histórias atrás dos vidros. Um passeio pela Quinta Avenida oferece paragens tão emblemáticas como a fachada com luzes em movimento dos armazéns Saks ou a ousada encenação do Bergdorf Goodman. O glamour natalício da avenida mais elegante de Nova Iorque é completado com uma bebida quente no salão Blue Box Cafe, na Tiffany & Co. ou com um “cinematográfico” gelado de dois andares numa das suites do mítico Hotel Plaza, imitando Macaulay Culkin no filme Sozinho em Casa 2.

 

A overdose natalícia vai para além de Manhattan e materializa-se no Dyker Heights, um bairro de Brooklyn onde as exuberantes decorações das casas e dos jardins formam um fascinante e híper-iluminado mundo que vale a pena visitar: renas brilhantes nos telhados, bonecos de neve insufláveis, figuras do Pai Natal motorizadas e árvores cobertas por milhares e milhares de lâmpadas.

 

Casa com decoração natalícia no Dyker Heights
Alguns moradores do Dyker Heights contratam decoradores para montarem as luzes de Natal.

Não se esqueça que o Natal em Nova Iorque acontece nas ruas, e em muitos dias de dezembro o termómetro não passa dos 7ºC. A neve e o frio são a desculpa perfeita para comprar chapéus, gorros e luvas nas feiras natalícias.

 

A de Columbus Circle oferece oportunidades únicas para completar a lista de presentes, enquanto que na Union Square, uma feira um pouco menor, os postos de venda de sidra quente e pão de gengibre animam as compras. Depois, com o gorro na cabeça e as luvas calçadas, nada melhor do que deslizar no gelo nas várias pistas de patinagem da cidade. Se quiser evitar as filas do Rockefeller Center ou do Bryant Park – as duas pistas mais concorridas – experimente a de Winterland Rink, na The Rooftop-Pier 17, onde as quedas são compensadas pelas vistas incríveis da ponte de Brooklyn e do Empire State.

 

Pista de patinagem no gelo no Bryant Park
A pista de patinagem no gelo do Bryant Park é grátis (só tem de alugar os patins).
Foto: Brittani Petronela/ NYC&Company

Depois da visita do Santa Claus e da consoada (se não conseguir uma mesa a tempo, siga a tradição judaica e peça comida chinesa), não pode deixar Nova Iorque sem se despedir do ano velho como um verdadeiro nova-iorquino. Assistir à chegada do novo ano na Times Square é motivo mais do que suficiente para beijar alguém, gritar e deixar-se levar pela euforia. Se preferir algo mais tranquilo, um cruzeiro pelo rio Hudson oferece a despedida perfeita, brindando com uma taça de champanhe enquanto contempla o skyline mais famoso do mundo. Com sorte, o rasto das renas do Pai Natal ainda não terá desaparecido.

Artigos relacionados

A Amélie muda-se para a Broadway

A rapariga mais doce e curiosa do cinema francês quer voltar a conquistar, desta vez através de um musical.

Nova Iorque para além dos arranha-céus

Longe da agitação de Manhattan, o estado nova-iorquino tem muito para oferecer. Descobrimos o rosto mais desconhecido de Nova Iorque.

A festejar como Gatsby

El personaje creado por Scott Fitzgerald hubiera sido el perfecto anfitrión de la Jazz Age Lawn Party: un ‘viaje’ a...

O hotel de vidro

A emblemática casa francesa Baccarat fabrica, há mais de 250 anos, cristais de qualidade requintada. Um nome que é sinónimo...