>>>Ode ao bar espanhol
Foto: DryMartini

Ode ao bar espanhol

Com 260 mil estabelecimentos, Espanha torna-se no país do mundo com maior densidade de bares. Dos clássicos aos mais vanguardistas, eis aqueles que não pode perder.
F
rases como “Em Espanha morrem mil pessoas por o ano a praticar desporto ao balcão de um bar… Agora você é que decide” ou “Aqui há cervejas mais frias que o coração da tua ex” fazem parte da literatura de bar espanhola, escritas a giz numa ardósia à porta do bar. Elemento-chave da cultura e indicador fiável de saúde económica, o negócio dos bares representa em Espanha 15% do PIB nacional, o dobro da média europeia. São segundos lares para muitos espanhóis, num país que tem um estabelecimento por cada 175 pessoas.
No Tickets podemos provar sandes como a chapata de enguia fumada com cobertura de soja.
Foto: Tickets

O paraíso de Homer Simpson

Em Espanha Homer não sentiria a falta do Bar do Moe. Não só porque há mais bares do que em todos os Estados Unidos da América, mas também porque, pela primeira vez na história, o consumo de cerveja em Espanha superou os 3500 milhões de litros, em 2015. A bebida representa mais de 56% de crescimento da hotelaria diurna.

As zonas especialmente turísticas, como o sul peninsular e as ilhas Balneares e Canárias, destacam-se em relação ao resto do país, com números superiores. No sul, a região da Andaluzia regista tantos bares como a Noruega, Finlândia, Dinamarca e Irlanda, juntas. São 47 mil estabelecimentos que representam 17% do total existente. A música flamenca de fundo, os adornos taurinos e um pátio repleto de gerânios fazem do bar El Pimpe, em Málaga, a melhor ilustração do bar típico andaluz. No Bodeguita Romero (Sevilha) a tapa estrela é o piripi, um montadito de bacon, queijo, lombo, tomate e maionese. Espetadas de veado, bacalhau à carbonara ou foie com compota de ananás fazem do Bar Puratasca, em pleno bairro de Triana, uma das propostas gastronómicas mais in da capital andaluza.
 
Em Espanha, durante todo o ano é possível sentar-se nas esplanadas dos bares para tomar algo.
Foto: Carlos Luján

Aprender línguas

Num bar pode encontrar o amor da sua vida, dançar ao som de música ao vivo, saborear ricos manjares e ainda aprender idiomas. Entre consumos, habitantes locais e estrangeiros alternam a conversa em várias línguas de forma a melhorarem a fluência e conhecerem gente. No Carmencita Bar, as terças à noite são dedicadas a “Cervejas e conversas”. Um plano perfeito para aprender inglês enquanto janta.

Madrid e Barcelona dispõem de planos de Metropolitano nas suas versões mais indolentes, onde as paragens são substituídas por bares. Na capital, a Casa Camacho (metropolitano Tribunal) continua a gabar-se da sua tradição. Abriu as portas em 1928 e pouco mudou desde então. Está localizado no bairro boémio de Malasaña e neste coincidem os óculos de massa, com os cabelos brancos. À hora do aperitivo, o chão transforma-se num mar de palitos, devido aos hipsters que se aglomeram para provar um dos melhores vermutes de torneira. E os seus avozinhos míticos, com comida caseira, genebra e vermute. Outro local de visita imprescindível é a Casa Lucio. Situado na Cava Baja, os seus ovos estrelados, os mais conhecidos do mundo, conseguiram sentar à mesa Tom Cruise, David Beckham e Bill Clinton.
O Tickets está localizado num antigo concessionário de carros, na concorrida Avinguda Paral
Foto: Tickets
Perante a Espanha cañí (tradicional, típica) e os elementos básicos do tradicional bar espanhol, constituído por máquinas de jogo, guardanapos serigrafados e palitos, muitos locais apostam na renovação. Os bares modernizam-se e, pouco a pouco, vai sendo divulgado no setor o conceito de ibar, local visitado depois de se terem lido as opiniões de outros utilizadores na Internet. Os ibar lançam ofertas suculentas online e utilizam as redes sociais para mostrarem as suas especialidades e receberem o feedback dos clientes.
“Os bares são como as igrejas: o altar é o balcão, o sacerdote, o barman e a oferenda, o coquetel”, afirma Javier de Las Muelas, cujo estabelecimento Dry Martini (Barcelona) está incluído na lista dos 50 melhores bares do mundo. Com uma estrela Michelin, em Tickets (Barcelona) a cultura do tapeo eleva-se. Dirigido por Albert Adrià, irmão do chefe Ferrán Adrià, neste estabelecimento as tapas transformam-se numa experiência surpreendente. Divide-se em seis balcões, cada um com um conceito gastronómico, como as carnes frias ou os doces. Aqui o cliente torna-se espetador de um circo para saborear sandes, como os miniairbags recheados de queijo manchego ou o ravioli fluído.
“Espanha é o belo país das canções e do vinho”, dizia Goethe. E ambas as coisas estão garantidas no bar.

Artigos relacionados

“Madrid está a ponto de viver uma nova ‘movida’”

Liam Aldous, jovem jornalista australiano, é um caça tendências sociais e culturais. Como correspondente em Espanha da revista Monocle está...

É o ano de comer Huelva

Chocos, presunto, camarões, morangos, vinho… Huelva foi nomeada “Capital Gastronómica Espanhola 2017”. Por isso, venha sentar-se à mesa: o banquete...

33 Habitantes, 30 mil livros

O viajante deixa um livro e leva outro. É a filosofia de Quintanalara, na província de Burgos. Um espaço cultural...

Serra de Tramuntana, inspiração das alturas

Parece um sacrilégio falar de Maiorca sem mencionar as suas praias. Mas não é. A maior das Ilhas Baleares também...