>>>Poupe em Milão (e vista Prada)
Foto: Tinxi / Shutterstock.com

Poupe em Milão (e vista Prada)

A capital da moda italiana distingue-se pelas suas montras proibitivas e ar glamoroso, mas existem opções para aproveitar a cidade sem se importar com o saldo da sua conta bancária.
É

tão fácil encontrar, no centro, Stephano Gabbana na sua scooter, como a organizar um jantar de luxo em plena rua. O último foi assistido por 400 pessoas, após a apresentação da coleção primavera/verão 2017 na Semana de Moda de Milão. É a magia de uma cidade que soube reinventar-se a tempo. Sem a fama de “cidade eterna” e com um legado artístico ofuscado pela bela Florença, Milão joga a carta que melhor lhe assenta: a do design e do requinte.

Após a primeira metade do século XX, o seu nome começou a soar entre as grandes cidades da moda. Em 1958 foi criada a Semana da Moda Italiana que, juntamente com Nova Iorque, Paris e Londres, faz parte do circuito seguido por Anna Wintour e companhia em busca das últimas tendências. “Nunca verá ninguém de macacão num restaurante de Milão”, confessou a modelo italiana Mariacarla Boscono à Vogue. Nem sequer a roupa da última moda tem estilo suficiente para os italianos. E muito menos aqui, na capital do Made in Italy.

Chiara Ferragni arriving to Milan Fashion Week
A bloguer milanesa Chiara Ferragni é uma presença habitual da Semana da Moda.
Foto: Jan Zahradka / Shutterstock, Inc

Uma morada imprescindível

10 Corso Como é o nome do espaço onde convivem design, cultura, arte e moda. A editora de moda Carla Sozzani, irmã da diretora da Vogue Itália, criou uma galeria à qual foi adicionando uma editora, livraria, café, restaurante, loja e até um hotel de três quartos. Exportou o conceito a Seul, Xangai, Pequim e Nova Iorque.

A cidade respira estilo. Aqui estão sediadas as grandes casas de design italianas: Armani, Dolce&Gabbana, Moschino, Versace, Prada… Mas também as mais pequenas, como o recém-chegado Giannico, que aos 21 anos já convive com as estrelas. Rihanna considera-o “inspirador” e foi Manolo Blahnik quem o incentivou a partilhar com o mundo os seus sapatos originais.

 

Todas elas têm encontro marcado no Quadrilátero da Moda, formado pelas ruas Montenapoleone, Manzoni, Della Spiga e Corso Venezia, e epicentro do shopping de luxo na cidade. A Via Montenapoleone, por onde um dia passavam as antigas muralhas romanas, ostenta o título da sexta rua mais cara do mundo, sendo o lugar escolhido por Dolce&Gabbana para o seu jantar multitudinário.

Galleria Vittorio Emanuele II
A construção da Galleria Vittorio Emanuele II começou em 1865.
Foto: pcruciatti / Shutterstock, Inc.

Primeiro destino: shopping?

É impossível visitar Milão sem atravessar a Galleria Vittorio Emanuele II. Liga a Piazza del Duomo à Piazza de la Scala e diz-se que é o centro comercial mais antigo do mundo. Não é verdade, mas é um dos mais belos, graças à sua cúpula de vidro por onde se infiltra a luz natural.

Passear pelas suas montras é tão divertido como as próprias compras. Embora para polir o cartão de crédito não faltem opções mais acessíveis. No bairro de Brera, conhecido pelo seu ambiente boémio, há inúmeros antiquários e boutiques. O Corso Buenos Aires parece-se à Quinta Avenida nova-iorquina e representa a democratização da moda atual, com mais de 1600 metros de lojas, incluindo outlets e marcas de moda low cost.

 

Por sua vez, o Corso di Porta Ticinese está repleto de lojas vintage e de segunda mão, além de marcas jovens, como a Gap ou a Vans. Existem também mercados, como a Fiera di Sinigaglia (todos os sábados no bairro Ticinese), onde se podem encontrar desde discos antigos a cosméticos orgânicos.

10 Corso Como
Em 1991, o sociólogo Francesco Morace definiu a 10 Corso Como como uma concept shop, termo que se generalizaria anos depois.
Foto: 10 Corso Como

Para poder pecar no Olimpo da alta-costura existe uma estratégia: poupar por outro lado. Como nos jantares. Talvez por isso Milão seja o rei do aperitivo italiano. Começa por volta das seis da tarde e inclui uma bebida e um buffet de aperitivos que vão desde enchidos e azeitonas, a massa e piza. Um dos mais icónicos é servido em Camparino, que fundou o inventor do Campari na Galleria Vittorio Emanuele II, ao lado do Duomo.

Navigli, o bairro dos canais, em cuja ampliação participou Leonardo Da Vinci, é outro dos lugares de excelência, com animadas esplanadas e gente cool. O blogue da it girl Chiara Ferragni recomenda dois lugares para tomar o aperitivo por menos de dez euros: Vista Darsena (Viale D’Annunzio 20) e Rita (Via Angelo Fumagalli 1), demonstrando que as fashionistas também gostam do bom, mas barato. E há mais dinheiro para acessórios da Miu Miu.

Artigos relacionados

Prada + Milão = Arte

Uma antiga destilaria transformada num centro de arte, numa cidade mais conhecida pela moda do que pela arte contemporânea. Em...

Os mil metros mais brilhantes do mundo

Se cada diamante vendido em qualquer parte do mundo fez uma visita a Antuérpia, por que não seguir-lhe o exemplo?

Quem matou o hipster?

Os muppies querem dar relevo às barbas e aos óculos de massa. Se vão inundar o mapa, no mínimo convém...