>>>“Quando trabalho na rua, cada dia é uma surpresa”
Entrevistámos Julien Nonnon, artista visual

“Quando trabalho na rua, cada dia é uma surpresa”

Lémures com camisas aos quadrados e guaxinins com capuz. É a proposta do criador francês, que aproxima a selva da cidade, com o seu Urban Safari.
T

udo começou com um tigre a correr a toda a velocidade pelas ruas de Paris. Uma projeção, claro. O Golden Tiger foi uma das primeiras animações de video-mapping que saiu à rua. “A ideia era confrontar a criação digital com a arquitetura das ruas e demonstrar que a cidade é algo vivo”, explica o artista francês Julien Nonnon. Hoje continua a dar vida a cidades como Madrid, Orlando e Estocolmo, com um grupo de animais que vestem melhor do que nós. É o seu peculiar safari urbano.

Em que te inspiras para realizar as tuas criações?

Para o projeto Urban Safari inspirei-me no Le Roman de Renart. É uma história na qual, pela primeira vez, os animais se riem dos humanos. A ideia era criar personagens, metade animal, metade humano, mas com muitos detalhes para que pudessem vincular-se à forma como nos vestimos e agimos em sociedade. Como seguir as tendências e a moda, e desta forma sentir que pertencemos a uma espécie de grupo. Queria demonstrar que os animais podem vir à cidade, como numa espécie de casting selvagem e fazer também parte desta.

Projection by Julien Nonnon in Paris
A criação Golden Tiger foi um dos primeiros projetos deste tipo que apareceram na Internet.

Como escolhes os locais onde vais projetar?

Faço uma busca dos melhores lugares e tiro fotografias com o iPhone. Também anoto a geolocalização para saber exatamente onde é. Outras vezes penso: “Esta personagem encaixa perfeitamente neste edifício ou nesta fachada”. É mais uma questão de inspiração. Tento interagir com a arquitetura urbana e até com as pessoas à volta.

Ao realizares o teu projeto na rua podes ver as reações do público em direto…

Quando trabalho na rua cada dia é uma surpresa. Muitas pessoas aproximam-se e falamos das minhas criações, mas também de outros temas. O curioso é que desde que começamos com estas projeções efémeras na rua, acontece sempre a mesma coisa. As pessoas param, tiram uma fotografia com o seu telemóvel e aproximam-se para falar comigo. E temos estado em lugares luxuosos, nos subúrbios… Não importa a idade ou a classe social.

O projeto muda conforme a cidade?

Absolutamente. Cada experiência é completamente única. Em primeiro lugar devido à arquitetura. Por exemplo, em Madrid estivemos com o festival de PhotoEspaña a projetar no Real Jardim Botânico. Foi incrível ter esse lugar para nós durante uma noite, ainda que sobretudo para os habitantes locais. A primeira noite que estivemos em Orlando havia cerca de 40 pessoas a seguir-nos de um local para o outro. De repente, começou a chover muito e as pessoas começaram a ajudar-nos, abriram guarda-chuvas, ajudavam-nos com o equipamento técnico… Todos se envolvem rapidamente neste tipo de experiências.

Projection by Julien Nonnon in Paris
Le Roman de Renart é um conjunto de poemas dos séculos XII e XIII.

O que mais gostas no teu trabalho?

Uma das coisas que mais gosto é a de conhecer pessoas. Também recebi muitos presentes. Não flores, nem bombons, mas presentes mais especiais. Como quando estávamos em Estocolmo e uma orquestra esteve a tocar durante a projeção de Urban Safari. Ou o facto de nos deixarem fazer as nossas projeções sobre a câmara municipal.

Onde gostarias de projetar a tua arte?

O meu sonho é projetar em Nova Iorque, talvez em Wall Street. Nos próximos meses também espero poder ir a Londres e a Berlim. É um projeto muito flexível, posso fazê-lo em qualquer lado. Nunca pedimos autorização porque é só luz. Se acontece qualquer coisa, simplesmente apago o projetor. Não deixa marca, não faz ruído, não há poluição… Trata-se mais de propor do que de impor.

BIO

Julien Nonnon considera-se um autodidata. Este artista francês interessa-se por tudo o que está relacionado com imagem: fotografia, vídeo, animação, desenho gráfico… Da combinação de várias destas áreas nasceu o seu Urban Safari. Além disso é um dos fundadores do estúdio criativo Le3.

Artigos relacionados

Uma ilha feita à mão

A febre pelo D.I.Y (do it yourself) não é nova. Séculos antes de nascerem Pinterest e os tutoriais de Youtube,...

FOTOS AQUI NÃO

Na entrada está pendurado o cartaz “Proibido tirar fotografias” ou, simplesmente, “Proibida a passagem”, mas para os ouvidos dos fotógrafos...

Paredes que quiseram ser banda desenhada

Los pitufos, Lucky Luke, Astérix, Tintín… Hay una manera diferente de leer cómics, basta con pasearse por Bruselas.

Uma vida em movimento

Entrevistamos Herman e Candela Zapp, um casal que há 16 anos dá a volta ao mundo e que pelo caminho...