>>>Tijuana está a viver uma revolução
Foto: One Bunk Hotel

Tijuana está a viver uma revolução

As cervejas artesanais, os hotéis de vanguarda e a gastronomia de autor da Baja Califórnia instalaram-se na fronteira mais movimentada do mundo. Bem-vindos à nova Tijuana.
A

avenida Revolución, centro do turismo e ponto de encontro em Tijuana, antecipa com o nome as mudanças que se estão a experimentar nesta cidade fronteiriça com 1,5 milhões de habitantes. No últimos anos, la Revo, cheia de sons, turistas e postos de tacos, tem visto como negócios de lazer vanguardistas, comércio e cultura substituem as tradicionais lojas de caveiras de cerâmica e chaveiros “Welcome to Tijuana”.

Entre as novas incorporações à viva oferta da Revolución destaca-se o Cinema Tonalá, “o lugar onde o sol nasce”. Um espaço onde se pode apreciar cinema independente, música, teatro, ateliers e originais propostas gastronómicas que se tornaram no epicentro da ação para os jovens modernos da cidade. No bar-restaurante do terraço do cinema pode-se saborear um inovador taco de ouriço-do-mar com abacate e chiles guajilio enquanto se contempla o histórico edifício Jai Alai Games, ícone de Tijuana e sede durante mais de 50 anos do frontão (pelota basca), “o desporto mais rápido do mundo”, e transformado atualmente em sala de concertos.

Fachada de Jai Alai Games
O edifício Jai Alai transformou-se no centro de espetáculos El Foro, onde se realizam eventos musicais e culturais.
Foto: fontplaydotcom/visualhunt.com

No outro lado da fronteira

Geminada com Tijuana, San Diego está apenas a 30 quilómetros de Tijuana e partilham entre si uma fronteira de 24 quilómetros. Uma visita cool à terra dos gringos passa pelas praias de Pacific Beach, pelos ousados resorts de La Jolla, pelas lojas de moda e pelos restaurantes do North Park.

A estética retro e descuidada de muitos dos edifícios da Revolución serve de pretexto para atrevidos projetos de design. Um bom exemplo disso é o hotel One Bunk que reciclou o antigo hotel Lafayette, criando um novo conceito urbano e eclético, sem perder a essência setentera do edifício original. É possível dormir nos atualizados quartos do One Bunk cheios de sinais mestiços e jantar no Caesar’s Restaurant, um clássico da avenida há mais de 20 anos e responsável pela invenção da famosa salada césar.

A cavalo entre “o sonho americano” e as profundas raízes mexicanas, Tijuana mantém-se imersa num rápido crescimento e melhora de infraestruturas que está revigorando a maioria dos seus bairros. Na Zona Río, o distrito financeiro, levanta-se a gigantesca bola do CECUT, o Centro Cultural Tijuana desenhado pelos arquitetos mexicanos Pedro Ramírez e Manuel Rosen Morrison que tem como objetivo difundir as novas propostas artísticas e culturais da cidade.

Edifício Centro Cultural de Tijuana.
O centro CECUT tem um aquário, exposições de arte, um teatro IMAX e uma grande esplanada para festivais e exposições.
Foto: Andres11_medina/visualhunt.com

Grande parte dos projetos de arte, música ou gastronomia nasceram da autogestão e do local. Uma espécie de regresso às raízes mestiças que trouxe também o renascimento culinário impulsionado pelas cervejarias artesanais e restaurantes que atualizam a tradicional cozinha Baja Med, uma combinação de pratos típicos mexicanos com ingredientes mediterrânicos. Os sabores mestiços de Tijuana percorrem-se numa visita ao restaurante Misión 19, a cargo do chef mexicano Javier Plascencia, os food trucks do Telefónica Gastro Park, o pátio dos postos de comida Colectivo 9, e o centro de cerveja artesanal Plaza Fiesta, com alguns dos bares mais populares da cidade, como o Tigre e El Depa.

Três tacos de Tacotopía
No festival gastronómico Tacotopía, os camiões de tacos competem entre si pelo taco mais votado pelo público.
Foto: Rob.Bertholf/visualhunt.com

Outra demonstração da vontade da cidade em renovar-se é o projeto Object, uma loja que oferece desenhos exclusivos de artesãos de todo o México. Situada no centro, em pleno bairro vermelho (considerada uma área problemática durante anos), a iniciativa, nas palavras de Verónica Hernández, uma das suas fundadoras, “pretende apoiar o ressurgimento da zona, promover a arte em Tijuana e os seus artistas locais. E para isso nada melhor do que estar no coração da cidade”. Um oásis de criatividade que atravessa a fronteira entra a antiga e a nova Tijuana, para acolher da mesma forma viajantes e hipsters.

Artigos relacionados

O gigante sagrado do México

A Peña de Bernal sempre atraiu as atenções, desde os dinossauros que a suportaram como vulcão, até aos indígenas e...

Mariachis e jazz em Guadalajara

Es la cuna del tequila y los mariachis, pero Guadalajara ofrece mucho más que folclore. La capital de Jalisco alterna...

O paraíso surrealista de Edward James

Um milionário britânico, possivelmente filho de um rei, instalou-se na selva mexicana para construir o Jardim do Éden. Não é...

A outra Riviera mexicana

O México tem duas Rivieras. A caribenha Riviera Maia e a mais tranquila Riviera Nayarit, no Pacífico. Puerto Vallarta é...