>>>Turismo nupcial: case-se em Boracay

Turismo nupcial: case-se em Boracay

Das 7000 ilhas que formam as Filipinas, em Boracay nunca se sentirá sozinho. Transformada em destino de ouro para turistas, a última moda é casar-se numa das suas praias.
E

ntrada nupcial num barco em forma de dragão, cerimónia em frente à praia. Uma gincana de convidados contra convidadas, como um acampamento de verão, mas com caviar em vez de sanduíches. O mar turquesa como cenário, coquetel de boas vindas, arranjos florais, música e amor. Já não é novidade casar-se em Bali, na costa amalfitana ou nas Caraíbas tropicais. Procura um destino atrevido para dizer o “sim”? Escolha Boracay.

Esta ilha filipina de 10 km2 é uma das mais visitadas do mundo. As suas praias de fina areia branca são o melhor reclame e o último grito é visitar este ambiente natural relaxante para se casar. Muitos resorts oferecem pacotes de casamento completos: desde o alojamento de noivos e convidados, até fogos-de-artifício para encerrar a cerimónia. Aqui conta tanto a estética (afundar os assentos na areia) como a culinária: o bolo tradicional é substituído por um soufflé de chocolate com queijo gorgonzola, com a assinatura da noiva. E para o amanhecer, um post Wedding Brunch. Um dos hotéis com estes serviços é o Shangri-La Boracay Resort’s Spa, um complexo de cinco estrelas especializado em casamentos. “Tratamos de todos os detalhes para que o feliz casal esteja livre para descontrair e aproveitar este dia especial”, explicam. Com o lema de Case-se No Paraíso, o Boracay Beach Club, o Discovery Shores Boracay ou o Fairways&Bluewater são alguns dos inúmeros complexos especializados em casamentos.

Os apartamentos Luxury, The District Boracay, Villa Caemilla, Henann Lagoon… em Boracay ou o número de resorts centenares.

Encha-se de cor no Festival Dinagyang

Se visitar as Filipinas no quarto domingo de janeiro não perca o Festival Dinagyang, um dos eventos mais populares e divertidos. Comemora a chegada dos imigrantes malaios, com desfiles pela cidade de Iloilo, na ilha de Panay, ornamentados com disfarces coloridos.

Do mochileiro ao turista

Existem 400 alojamentos nesta ilha situada a 300 km a sul de Manila. Cada um conta uma história própria, a da evolução do turismo em Boracay. A Casa Pilar é um exemplo: começou “como um pequeno complexo de seis casas de campo em 1986” e agora tem “mais de 80”.

Nos anos 80, Boracay era frequentada por mochileiros, mas depressa os pacotes turísticos ficaram na moda: dizia-se que as praias de Boracay estavam entre as melhores do mundo. Hoje tenta transformar-se em destino nupcial. “Estamos muito interessados em promover as Filipinas como um destino para casamentos, especialmente Cebu e Boracay. Estamos a preparar pacotes para casamentos, que incluem hotéis, organização do evento e vistos para os hóspedes”, afirma o diretor de desenvolvimento de mercados do departamento de turismo.

Os vermelhos, laranjas e magentas são inesquecíveis. Um dos prazeres da ilha é ver o entardecer nas suas praias.

A White Beach dispõe de 4 km de praia banhada por águas cristalinas e recifes de coral, sendo a mais conhecida de uma trintena. A Bulabog Beach também é sugestiva: 2,5 km de areia, um recife de coral e o coração de desportos aquáticos como o kitesurf e o windsurf. Está situada no bairro Barangay Yapak, o mais rico dos três que dividem a cidade, sendo os outros Barangay Balabag e Barangay Manoc-Manoc. São conhecidos como Station 1, Station 2 e Station 3. Esta última é a velha Boracay, a menos massificada das três.

Dar o “sim” a olhar o mar está na moda: a vantagem? Uma desculpa para não usar tacões.

Viajar de veleiro nas tradicionais paraw, com mastros de bambu, praticar mergulho, kiteboarding, parapente ou golfe são outras das alternativas de lazer que Boracay oferece. O turismo nesta ilha parece imparável: os EUA enviam mais de 700 mil pessoas por ano e a China 500 mil. Em seguida surge a Europa com aproximadamente 400 mil. Dar o “sim” em Boracay é inevitável.

Artigos relacionados

O dobro da diversão

Carnaval no Brasil é sinónimo de calor, música e folia. Por que não festejá-lo mais do que uma vez?

Piratas, caimões e outras histórias

As praias desvendam lendas de corsários e de tesouros e, uma vez por ano, as ruas enchem-se de bandeiras negras...

Tubarões? Não, colecionistas

Miami acolhe em dezembro a semana da Arte 2015. Artistas, livros de cheques e famosos, para um encontro consolidado que,...

A última praia deserta

A ilha paradisíaca de Phi Phi Leh parece o cenário de um filme. Mas é real. É possível pisar as...