>>>A festejar como Gatsby
Foto: ©Filip wolak

A festejar como Gatsby

El personaje creado por Scott Fitzgerald hubiera sido el perfecto anfitrión de la Jazz Age Lawn Party: un ‘viaje’ a los años 20 en el sur de Manhattan.
“Não consigo imaginar uma forma mais agradável de passar um fim de semana na cidade”. Essa cidade é Nova Iorque e o programa a Jazz Age Lawn Party. A frase veio do fotógrafo, especialista em street style, Bill Cunningham, em 2014, quando fotografou o evento para o The New York Times. Recentemente falecido, a sua recomendação ganha agora uma especial relevância quando se realiza uma nova edição desta festa, convertida numa tradição do verão nova-iorquino. Organiza-se duas vezes por ano, em junho e em agosto e, este ano, vai decorrer nos dias 13 e 14 de agosto.
Michael Arenella tem dois discos lançados, Blue River e Just in Time.
Foto: ©Filip Wolak

O rei da festa

Gel no cabelo, bigode fino e laço. O visual de Michael Arenella é inconfundível. Na mão, uma batuta ou um trompete e sob o seu comando a Dreamland Orchestra. Além do festival, a orquestra toca durante o ano inteiro em Nova Iorque em espaços como o The Red Room e The Clover Club.

O ferry é única forma de chegar ao festival. Realiza-se na Colonels Row, Governors Island, no sul de Manhattan. Durante dois dias, a ilha é transportada para os loucos anos 20. Disfarces, concursos de dança (swing, charleston), coquetéis da época e uma orquestra de jazz ao vivo conseguem tornar ainda mais credível esta viagem no tempo. Na batuta da Dreamland Orchestra está Michael Arenella: músico, empresário e autêntico devoto do jazz, é o precursor e a alma mater do festival. Filho de dois artistas nova-iorquinos, começou por organizar uma pequena festa para amigos em 2005. Na altura, juntaram-se umas 100 pessoas. Nas últimas edições foram vendidos cerca de 10 000 bilhetes para o fim de semana, o que converte a Jazz Age Lawn Party num dos maiores eventos de verão na cidade. Não há regras de admissão, todos são bem-vindos e mesmo não sendo obrigatório recomenda-se que se vista roupa ao estilo dos anos 20. “Uma das épocas mais coloridas e essenciais da história americana”, como eles próprios sublinham. Uma época que, quase um século depois, continua a ser nostálgica e imitada. Na Governors Island a música sai de gramofones antigos, as fotografias têm um toque vintage e as crianças brincam como os bisavôs na Kidland. Para a ilha é transportada uma coleção de carros antigos que ficam expostos durante o festival.
O palco e a pista de dança são os pontos principais da festa, embora grande parte dos festejos também decorra no relvado da Colonels Row. Em modo de piquenique, os convivas comem aperitivos (também ao estilo dos anos 20) entre uma dança e outra.
Gregory Moore e The Dreamland Follies interpretam um espetáculo durante o festival.
Foto: ©Filip Wolak
O coquetel St-Germain é o mais pedido. Combina o licor do mesmo nome com vinho espumante, água mineral com gás e um toque de limão. A Metropolitan Seafood & Gourmet está encarregada do catering, oferecendo um piquenique gourmet que inclui desde sanduíches até ostras e paté.
O festival decorre ao ar livre.
Foto: ©Filip Wolak
Com bilhetes a partir de 35 USD, os passes podem atingir os 900 USD (para quatro pessoas). Além da entrada geral, incluem o acesso ao bar privado (com coquetéis retro) e alimentação. O nome deste passe VIP? Gatsby’s Garden.

Artigos relacionados

Nova Iorque encanta (ainda mais) no Natal

Se já é Natal na Big Apple, já é Natal no resto do mundo. Faça as malas e prepare as...

A breve e assombrosa vida de Bowie

David Bowie, o Duque Branco, não morreu, nem está a caminho do espaço. Continua em Nova Iorque, no Soho, entre...

Nova Iorque para além dos arranha-céus

Longe da agitação de Manhattan, o estado nova-iorquino tem muito para oferecer. Descobrimos o rosto mais desconhecido de Nova Iorque.

Encontros fora de série

Se é mais romântico do que Ted Mosby e deseja um encontro digno de ser contado aos seus futuros filhos,...