>>>Bergen: era uma vez um conto nórdico
Foto: Spurwing Agency / Unsplash.com

Bergen: era uma vez um conto nórdico

Protegida pelas “syv fjell”, sete montanhas que parecem querer guardar a cidade em segredo, Bergen surge na costa sudoeste da Noruega como cenário de um conto Disney.
C

omo se a aldeia de A Bela e o Monstro tivesse sido congelada pela princesa Elsa. Esta é a primeira impressão causada por Bergen. Na segunda maior cidade da Noruega reina o ambiente de uma pequena cidade cheia de encanto, com casas de madeira coloridas e telhados de duas águas como cartão-postal de apresentação logo que se chega ao porto. Esta zona é conhecida por Bryggen e, apesar de hoje em dia estar cheia de restaurantes com esplanadas, galerias, lojas e viajantes – especialmente no verão –, é fácil imaginar o passado deste espaço como ponto-chave do comércio nórdico. Aqui foi fundada a sede da Liga Hansática, uma associação de comerciantes alemães que controlou o comércio marítimo do norte da Europa entre os séculos XIII e XVII, granjeando fortuna em Bergen com a exportação do bacalhau. Para conhecer esta história poderá visitar o Museu Schøtstuene.

 

Mercado de peixe de Bergen (Fisketorget)
Algumas especialidades locais de Bergen são a sopa de peixe e o “persetorsk” um prato elaborado com bacalhau ao vapor.
Foto: Per Eide / VisitNorway.com

Por detrás das coloridas fachadas do porto serpenteiam as estreitas vielas calcetadas do Bryggen. Os edifícios que alojaram os armazéns e as casas dos trabalhadores do peixe, agora, são os ateliers de ceramistas, joalheiros, estilistas e artistas em geral que se misturam com as lojas de souvenirs. Passeando por estas ruas podem ser contemplados uns 60 edifícios históricos e quase mil anos de história, incluindo a igreja de Santa Maria, o edifício mais antigo de Bergen, construída por volta de 1130.

 

Mas a cidade não perdeu o cheiro a mar. Para o comprovar basta entrar no fisketorget, um mercado de peixe em funcionamento desde 1276. Esta lota é hoje lugar de passagem obrigatória para os viajantes. Das gélidas águas da costa norueguesa chega salmão selvagem, bacalhau, caviar, caranguejo real e carne de baleia, produtos que são expostos em bancadas cobertas de gelo e que podem ser saboreados em forma de salada, tacos e espetadas cozinhadas no momento.

 

Museu de Arte Decorativa da Noruega (KODE 1)
Os museus que formam o KODE organizam mais de 400 concertos por ano.
Foto: A6 Reflex /Unsplash.com

Se Bergen tivesse banda sonora própria, teria sido composta por Edvard Grieg, um dos filhos ilustres da terra. Este pianista, ao compor, inspirou-se tanto na cidade natal que estava certo de que na sua música havia bacalhau e arenque do Bryggen. A casa-museu do compositor pode ser visitada nos arredores da cidade, numa vila com vistas para um lago onde ele passava os verões e que hoje, quando chega o bom tempo, oferece recitais em sua homenagem. Os que procurarem ritmos mais atuais, vão encontrá-los no Bergenfest, um dos festivais de música mais importantes da Noruega. Este ano desfilarão pelo festival – de 10 a 13 de junho – artistas como Lewis Capaldi, Passenger, Zara Larsson e Belle and Sebastian. Um mês antes terá lugar o Nattjazz, o maior evento de Jazz do norte da Europa.

 

O roteiro artístico continua pela cidade e expande-se pelos sete museu que constituem o KODE, um dos maiores centros de arte, artesanato, design e música dos países nórdicos. Os 50.000 objetos expostos (pintura, obras em papel, esculturas, vídeos, instrumentos musicais, obra de design, etc.) estão repartidos por quatro edifícios no centro da cidade (KODE 1, 2, 3 e 4) e pelas casas dos compositores Ole Bull, Harald Sæverud e do já mencionado Edvard Grieg.

 

Trolltunga
Só é recomendado subir ao Trolltunga de junho a setembro. Completar a rota a pé demora de 8 a 12 horas.
Foto: Benjamin Davies / Unsplash.com

Além de parecer uma cidade de conto, Bergen é também o coração dos fiordes. Para dar uma primeira olhada basta apanhar o funicular de Fløibanen, a 150 metros do mercado de peixe, e deixar-se elevar comodamente a 320 metros de altura até chegar ao monte Fløyen. Daqui obterá umas vistas espetaculares da cidade e dos fiordes que a rodeiam. É que Bergen está bem protegida por sete montanhas e por verdadeiros ícones naturais, como Sognefjord, o mais comprido e profundo fiorde da Noruega, e Hardangerfjord. Este último é a porta de entrada no famoso Trolltunga (língua de trol). Porque também em plena natureza norueguesa surgem personagens de conto, ainda que seja em forma de rocha.

Artigos relacionados

O ritmo da escadaria do troll

Num time-lapse, o fotógrafo Alejandro Villanueva captou a fusão entre design, arquitetura e paisagem doTrollstigen Visitor Center. Este miradouro norueguês...

Tenha uma aventura de inverno em Lofoten

Há ilhas que são excelentes para se conhecerem no verão, o que não é o caso da Noruega. Aqui é...

Conduzir como um pássaro pelo fiorde de Geiranger

Uma estrada de asfalto serpenteia pelas montanhas e pelas cascatas, com vistas deslumbrantes para os fiordes. São 106 quilómetros de...

O segredo da felicidade nórdica

Para ser feliz comece por aprender o significado de hygge, lagom ou koselig. O hakuna matata de países como a...