>>>Estes trilhos são cinco estrelas

Estes trilhos são cinco estrelas

Nunca foi tão óbvio: o que importa não é chegar, mas sim o caminho. Sobretudo se o caminho for percorrido nos comboios mais exclusivos do mundo.
U
mas férias de comboio, em pleno século XXI, oferecem duas viagens: uma ao destino e outra ao passado. Os comboios a vapor do século XIX permitiram viajar em segurança pela primeira vez. Uma época em que deslocar-se de um local para o outro era uma aventura épica, que apenas uns quantos afortunados podiam viver com classe. Hoje em dia alguns desses comboios ainda proporcionam aos passageiros o romantismo, o glamour gatsbiano e o inconfundível rugido da locomotora.
O Rovos Rail passa a menos de 300 m das cataratas de Vitória, a queda de água com maior caudal do mundo.
Um miradouro em movimento – Rovos Rail (África do Sul)
Conhecido como o orgulho de África, o comboio dispõe de carruagens do século XIX, completamente recuperadas, para percorrer a África do Sul, o Zimbabué, a Zâmbia e a Tanzânia. Oferece a oportunidade de contemplar, durante o percurso de Pretória à Cidade do Cabo, do Serengueti às Cataratas de Vitória.
As suites Gran Lujo do comboio Transcantábrico são decoradas com madeira e têm quarto de banho privativo.
Alojar-se nas suites reais, um espaço de 16 m2, com sala e quarto de banho com banheira, permite reviver a opulência dos anos 20. Observe a savana enquanto saboreia um prato de caça no restaurante Victoria, se não quiser perder de vista os leopardos, rinocerontes e elefantes no seu habitat natural.
No Rocky Mountainer usufrui-se da natureza num vagão com cúpula de vidro.
De uma ponta à outra – The Ghan (Austrália)
Com um dos trajetos mais extensos do mundo, este comboio percorre a Austrália de sul a norte, desde a cidade de Adelaide até Darwin. Um percurso que segue a rota original do britânico John McDouall Stuart, o explorador mais famoso do continente australiano. São 2979 km em 48 horas de viagem, que atravessam os desertos Simpson e Vitória, a cordilheira Macdonnell, Alice Springs e a pequena povoação de Coober Pedy, onde a maioria dos seus habitantes vivem debaixo da terra. O serviço Platinum oferece umas férias de luxo, com quartos amplos e serviço de pequeno-almoço no compartimento.
Viagem ao santuário peruano – Belmond Hiram Bingham (Peru)
Este comboio, que herdou o nome do explorador norte-americano Hiram Bingham, chega até à estação de Aguas Calientes, a mais próxima acima de Machu Picchu. Os passageiros conhecem os Andes peruanos a bordo dos seus vagões, inspirados nos Pullman dos anos 20. Existem várias formas de desfrutar do trajeto: saboreie um brunch na carruagem restaurante, aprenda a fazer um pisco sour pela mão do barman, viva a música peruana em direto no bar ou contemple a paisagem na carruagem-observatório, ao ar livre.
 O ar mais puro – Rocky Mountaineer (Canadá)
O comboio Rocky Mountaineer atravessa as Montanhas Rochosas do Canadá. O seu percurso vai a lugares onde não é possível chegar de automóvel, através dos lendários túneis em espiral, construídos com explosivos, na passagem Kicking Horse. Prove os apreciados vinhos do Vale de Okanagan, sempre com atenção à paisagem, pois é comum ver ursos pardos e águias-reais. O comboio utiliza os percursos da Ferrovia Nacional Canadiana e liga Vancouver a Jasper, Banff e Calgary. Dispõe de seis rotas, algumas circulares com início e fim em Vancouver e outras lineares com partida desta cidade.
Um cruzeiro gastronómico – Transcantábrico Gran Lujo (Espanha)
Os viajantes percorrem a costa cantábrica de Espanha a bordo de carruagens originais de 1923, joias do património histórico-ferroviário. As cidades onde pára são a oportunidade ideal para conhecer a gastronomia típica da zona, considerada das melhores da Europa pela qualidade dos seus profissionais e matérias-primas. Um percurso pela identidade gastronómica da Galiza, Astúrias, Cantábria e País Basco, onde pratos tradicionais como a feijoada asturiana, o cozido montanhês, o marisco ou o peixe assado e sobremesas como os frixuelos e a tarte de Mondoñedo, são os protagonistas.

Artigos relacionados

O caminho mais perigoso do mundo

Construído nas rochas do Desfiladeiro dos Gaitanes e, posteriormente, abandonado, o Caminho do Rei acabou por se tornar numa lenda....

Férias na quinta

Os citadinos, cansados do ritmo frenético da cidade, escapam para o refúgio da horta e dos estábulos. A quinta é...

Ushuaia , vamos até ao fim do mundo

Já não tem desculpa: pode cumprir a promessa de levar a sua cara-metade até Ushuaia, na Argentina, a cidade mais...

Diga-me a idade que tem e eu dir-lhe-ei como viaja

Não se viaja da mesma forma aos 20 ou aos 50. A boa notícia é que à medida que perdemos...